Equipe

Julia Wähmann

Produção

Escritora, é autora dos livros Cravos e Manual da demissão, ambos pela Record.

Renata Salgado

Idealização e direção

Psicanalista e organizadora do livro Imagem escrita (ed. Graal, 1999).

Professores

Adriana Azevedo

Feminista e crítica cultural com trajetória de sete anos em pesquisa acadêmica sobre representatividade de minorias sexuais e de gênero no audiovisual, nas artes e nas produções culturais contemporâneas.

Adriana Falcão

Escritora e roteirista. Estreou na literatura com A máquina, em 1999, texto que virou peça e filme dirigidos por João Falcão. Colaborou na série A comédia da vida privada, inspirada na obra de Veríssimo, e foi uma das autoras de A grande família, ambas séries da TV Globo. Também colaborou em O auto da compadecida, grande sucesso do cinema nacional, com direção de Guel Arraes. Adriana lançou também livros infantojuvenis, entre os quais o best-seller Mania de explicação, dicionário de verbetes poéticos que conquistou leitores de todas as idades.

Aldones Nino

Curador independente e historiador da arte especializado em arte contemporânea, doutorando em Historia y Arte pela Universidade de Granada em cotutela com o programa de Pós Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em História Política e Bens Culturais pela Fundação Getúlio Vargas – RJ (2018). Atualmente é pesquisador/redator da Enciclopédia Itaú Cultural, já tendo publicado textos em livros e periódicos nacionais e internacionais (Portugal, Espanha e EUA). Participa do Programa Imersões Curatoriais da Escola Sem Sítio (Villa Aymoré/RJ), com pesquisa sobre curadoria e pensamento descolonial. Realiza gestão de coleções privadas, acompanhamento artístico e leitura de portfólio (Feira Oriente – RJ). Já desenvolveu diversos projetos curatoriais na cidade do Rio de Janeiro, na Procuradoria Geral do Estado, Galeria Gustavo Schnoor, Galeria A Gentil Carioca, Villa Aymoré e Centro Cultural Light.

 

Ana Branco

Após 10 anos entre formação e trabalho, Ana largou a carreira de economista e seguiu nas artes usando a fotografia como instrumento para expressar visualmente sua criação artística. Foram anos de estudo em artes plásticas e fotografia analógica até ingressar no mercado como fotojornalista no jornal O Globo, onde trabalha há trinta anos. Em paralelo, nos últimos anos, vem explorando outros dois processos criativos: livros de artista e fotografias com celular. Publicou, de forma independente, os livros Caderno de Escola (2017) e Sousa Lima 375 (2018).

 

Andréa Pachá

Depois de vinte anos na Vara de Família, Andréa Pachá assumiu a Vara de Sucessões, onde passou a lidar com julgamentos de inventários, testamentos e curatelas. A partir de experiências dessas audiências, escreveu seu livro mais recente, “Velhos são os outros” (Intrínseca)
É autora de “A vida não é justa”, lançado originalmente em 2012, reeditado pela Harper Collins em 2017, que inspirou a série “Segredos de justiça”, exibida pelo Fantástico, TV Globo, em 2016.

Antonio Carlos Secchin

Poeta, ensaísta e professor emérito da UFRJ. Doutor em Letras. Membro da Academia Brasileira de Letras.  Seu livro Percursos da poesia brasileira, do século XVIII ao XXI, ganhou o Prêmio da A.P.C.A. para melhor obra de ensaios publicada no país em 2018. Já  proferiu quase 600 palestras sobre temas literários, no Brasil e no exterior.

Atualmente na casa

Antonio Cicero

Poeta e ensaísta, Antonio Cicero é autor, entre outras coisas, dos livros de poemas GuardarA cidade e os livros e Porventura, do livro de filosofia O mundo desde o fim, e dos livros de ensaios sobre poesia e arte Finalidades sem fimPoesia e filosofia e A poesia e a crítica. Além disso, organizou, em parceria com o poeta Waly Salomão, o livro de ensaios filosóficos O relativismo enquanto visão do mundo e, em parceria com o poeta Eucanaã Ferraz, a Nova antologia poética de Vinícius de Morais. Ele é também compositor de inúmeras letras de música popular, tendo parceiros como Marina Lima, Adriana Calcanhotto e João Bosco, entre outros. Antonio Cicero é membro da Academia Brasileira de Letras.

Atualmente na casa

Beth Pessoa

Há quase quatro anos, Beth Pessoa foi aprender a bordar e descobrir o  fascínio e a paixão que o bordado sempre lhe causou, seja pela sua origem mineira e pela lembrança das avós que estavam sempre às voltas com as linhas, crochetavam e tricotavam lindamente. De lá para cá, dedica-se a tecer imagens e cores, e a pesquisar o universo desta arte manual, delicada e poderosa, enquanto coordena o Instituto Moreira Salles no Rio de Janeiro desde 1998. Antes disso, sempre trabalhou como produtora de TV e cinema. É graduada em Comunicação Social/Jornalismo pela UFRJ, e pós-graduada em Gestão de Museus, mas gosta mesmo é de bordar e viver no mundo da arte.

Bia Lessa

Artista múltipla, começou sua carreira como atriz nos anos 1980. Desde então transita entre o teatro, o cinema, a museologia e obras plásticas que fogem a classificações. Suas criações para o teatro têm estreita ligação com a literatura. Já montou textos de Virginia Woolf, Graciliano Ramos, Haroldo de Campos, Borges e Tchéckov, entre outros. Ainda no campo do palco, dirigiu shows de Maria Bethânia, Gal Costa, Vanessa da Mata. Teve filmes, em co-direção com Dany Roland, exibidos no Festival de Berlin e no Festival do Rio. Em 2006, criou a instalação inaugural do Museu da Língua Portuguesa, a partir da obra de Guimarães Rosa. Atualmente está em cartaz assinando a direção das peças Grande sertão: veredas, outra vez trabalhando com o texto de Rosa, e Macunaíma, da obra de Mario de Andrade.

Bianca Ramoneda

Bianca Ramoneda é escritora, jornalista e atriz. Roteirista da TV Globo, fez parte da equipe que escreveu a série Assédio, projeto da autora Maria Camargo, com quem atualmente adapta para a televisão o livro Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves. Também na Globo apresentou e roteirizou, durante 18 anos, no canal Globonews, os programas de cultura Ofício em Cena e Starte, entrevistando artistas de diversas áreas no Brasil e no mundo. Atua na área de produção cultural, e é autora de livros de contos e de poesia.

Camila Bastos Bacellar

É graduada em Artes Cênicas pela UNIRIO (2010) e em Ciências Sociais pela UFRJ (2011). Em 2013, sob orientação de Paul B. Preciado, concluiu o máster do Programa de Estudios Independientes (PEI) do Museo d’Art Contemporani de Barcelona (MACBA), reconhecido oficialmente como mestrado em Estudios Museísticose Teoría Crítica pela Universidad Autonóma de Barcelona (UAB). Atualmente conclui o doutorado (PPGAC/UNIRIO), tratando de relações entre teorias feministas e descoloniais e a arte da performance na América Latina no século XXI.

Carla Ribas

é atriz de teatro, TV e cinema. Interpretou Gertrudes na montagem de Hamlet dirigida por Aderbal Freire Filho, de 2008 a 2009, com Wagner Moura no papel do Príncipe.

Carla Rodrigues

É filósofa e escritora. É autora de ensaios, traduções e livros de não-ficção, como Duas palavras para o feminino (NAU, 2013). Tem textos publicados em veículos como revista Serrote e o site do Instituto Moreira Salles. É professora de Filosofia (UFRJ), pesquisadora (PPGF/IFCS) e bolsista da Faperj, onde desenvolve um projeto acerca do pensamento de Judith Butler.

Carmen Luz

É graduada, licenciada e pós-graduada nos cursos de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira e Teatro pela UFRJ; pós-Graduada em Cinema-Documentário pela Fundação Getúlio Vargas e mestre em Arte e Cultura Contemporânea pela UERJ. Professora na Escola de Cinema Darcy Ribeiro, é idealizadora do curso Danças Negras, na Faculdade Angel Vianna, diretora artística e coreógrafa da Cia Étnica de Dança e atuou como diretora do Centro Coreográfico do Rio de Janeiro. Em 2004 recebeu Menção Honrosa da Comissão dos Direitos Humanos da OAB/RJ, em reconhecimento a seu trabalho em comunidades cariocas.

Carolina Matos

Curadora de imagens, histórias e pessoas. Com 15 anos de experiência, possui olhar educado em primeira pessoa sobre todos papéis de um projeto cultural. Elabora e coordena exposições e propostas educativas, e já atuou em instituições como Itaú Cultural (São Paulo), Oi Futuro (Rio de Janeiro), Matadero e La Casa Encendida (Madri). Consultora especializada em arte moderna e contemporânea e Especialista em Gestão de Coleções de Arte pelo I-ART Madrid (2008), assessora coleções privadas com diferentes perfis de aquisição, desenvolvendo estratégias desde a compra até gerenciamento e instalação de obras. Doutoranda em História da Arte pela Universidad Complutense de Madrid, com tese sobre a preservação digital do patrimônio histórico e cultural, desenvolve projetos que criam pontes sólidas e divertidas entre as pessoas e o universo cultural.

Celia Lessa Kerstenetzk

Professora do Instituto de Economia da UFRJ, é autora de dezenas de artigos, capítulos de livros, coletânea e do livro O estado do bem-estar social na idade da razão: A reinvenção do estado social no mundo contemporâneo (Campus, 2012, Prêmio Victor Nunes Leal da ABCP e finalista do Prêmio Jabuti na categoria Ciências Humanas).

Daniel Aarão Reis

Professor de história contemporânea da Universidade Federal Fluminense, é autor de Luis Carlos Prestes. um revolucionário entre dois mundos(Companhia das Letras, 2014, Prêmio Jabuti de Melhor Biografia) e A revolução que mudou o mundo(Companhia das Letras, 2017).

Daniel Becker

Pediatra, sanitarista, palestrante e escritor. Formado e com residência pela UFRJ e mestre em Saúde Pública pela FIOCRUZ, foi o primeiro médico brasileiro a trabalhar com Médicos sem Fronteiras (1988), e um dos criadores da Estratégia Saúde da Família, o maior programa do Ministério da Saúde. Com extenso currículo e experiências, Daniel é palestrante internacional, que fala sobre infância, maternidade e paternidade, sustentabilidade e saúde e sociedade.

Eduardo Jardim

Foi professor de filosofia na PUC-Rio e é autor de Hannah Arendt: Pensadora da crise e de um novo início (Civilização Brasileira, 2011), Eu sou trezentos: Mário de Andrade, vida e obra (Edições de Janeiro, 2015, Prêmio Jabuti de Melhor Biografia e Livro do Ano de Não-Ficção), Tudo em volta está deserto (Bazar do Tempo, 2017).

Enrique Diaz

é ator, diretor e um dos fundadores da Companhia dos atores, que dirigiu de 1990 até 2012.

Felipe Abreu

é  preparador vocal, professor de música e pesquisador independente de cinema. Assinou a pesquisa de filmes para dois especiais do Canal Brasil sobre a música do cinema brasileiro, Na Trilha do Meu Sonho (2011, também em CD e DVD, direção de Paulo Henrique Fontenelle e Wagner Vieira) e Na Trilha do Meu Sonho 2 (2017, direção de Gabriela Gastal).

Fernanda Medeiros

É consultora dos ciclos shakespearianos na Casa. Professora associada de Literatura Inglesa da UERJ e membro do CESh (Centro de Estudos Shakespeareanos). Na celebração de 400 anos de morte de Shakespeare, organizou o Seminário Shakespeare Leitor, Leitores brasileiros de Shakespeare (Biblioteca Nacional), Noite de Shakespeare no Poeira (Teatro Poeira) e as Jornadas Shakespearianas (PUC-Rio / UERJ / UFRJ).

Flávia Reis

Atriz formada em artes cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio). Integra o elenco do programa “Zorra”, da TV Globo. De 1998 a 2008, fez parte do programa Doutores da Alegria, como coordenadora artística e como palhaça. Na TV, integrou o elenco dos programas “220 volts”, “Não Tá Fácil pra Ninguém” e “Vai que Cola”, todos no Canal Multishow. Está permanentemente em cartaz com seu solo cômico “Neurótica!”, sob direção de Marcio Trigo.

Flora Süssekind

Flora Süssekind é crítica literária, professora de teoria do Teatro no Centro de Letras e Artes da UNI-Rio e pesquisadora da Fundação Casa de Rui Barbosa. Entre suas atividades de crítica, destacam-se a colaboração semanal no Caderno B, do Jornal do Brasil – JB, na seção de teatro, de 1979 a 1985, e a coluna mensal no caderno Idéias, também do JB, de 1995 a 2000. Além de organizadora de diversos livros de teoria literária e ficção, tem farta produção de ensaios sobre literatura brasileira.

Fred Coelho

É pesquisador e professor do Departamento de Letras da PUC-Rio. Trabalha como temas relacionados à história intelectual e à cultura brasileira do século XX, principalmente a partir das interfaces entre literatura, artes visuais, cinema e música popular. Publicou, entre outros, os livros Livro ou Livro-me – os escritos babilônicos de Hélio Oiticica (EdUERJ, 2010) e Conglomerados-Newyorkaises (com César Oiticica Filho, Azougue editorial, 2012).

Helena Martins

Pesquisadora do CNPq e Professora Associada do Departamento de Letras da PUC-Rio, onde atua na Graduação e na Pós-graduação, nas áreas de Tradução e de Estudos da Literatura. Sensível ao anseio contemporâneo por novas formas de vida, sua pesquisa tem se voltado para as relações entre linguagem, arte e devir, em uma abordagem transdisciplinar, que frequenta também a filosofia e a antropologia.

Heloisa Buarque de Hollanda

É escritora, professora emérita da Escola de Comunicação da UFRJ e coordenadora do Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC-Letras/UFRJ), onde dirige o Laboratório de Tecnologias Sociais Universidade das Quebradas e o Fórum Mulher na Universidade. É autora de muitos livros, entre eles Impressões de Viagem; Cultura e Participação nos anos 60; O Feminismo como Crítica da Cultura; Asdrúbal Trouxe o Trombone: memórias de uma trupe solitária de comediantes que abalou os anos 70; Escolhas: uma autobiografia intelectual. Em 2019, publicou Pensamento feminista. Conceitos fundamentais e Pensamento feminista brasileiro. Formação e contextos.

Hildete Pereira de Mello

Hildete Pereira se tornou uma das mais importantes militantes do movimento feminino no Brasil quando, na década de 1970,  passou a defender pautas como violência doméstica, descriminalização do aborto e controle do corpo. Em 1982, fundou o PMDB Mulher e, em 1994, passou a atuar  na Secretaria Estadual de Mulheres do PT. Foi membro efetivo do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, vinculado ao Ministério da Justiça (1985-89). Doutora em Economia da Indústria e da Tecnologia pela UFRJ, atualmente é professora da UFF, coordenadora do Núcleo Transdisciplinar de Estudos de Gênero e editora da Revista GÊNERO do Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social da UFF. É consultora da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República desde 2003.

 

Isabel Falcão

Filha caçula da escritora e roteirista Adriana Falcão com o diretor e dramaturgo João Falcão, formada em Letras pela PUC-Rio. Trabalhou no mercado editorial enquanto dava aulas de Literatura e Redação em um pré-vestibular comunitário, quando se encantou pelo ofício. Hoje é professora e está concluindo o mestrado em Literatura na UFF.

Ítalo Moriconi

é poeta, crítico  e professor de Literatura da UERJ. Conhecido pelo seu trabalho como curador literário, organizou importantes antologias de contos e de poesia. Organizou o volume de cartas de Caio Fernando Abreu. É autor de Ana Cristina Cesar, o sangue de uma poeta, cuja primeira edição é de 1996.

Jacqueline Pitanguy

É formada em sociologia e ciência política. Passou pela Universidade de Leuven, na Bélgica, pela Escola de Sociologia da Pontifícia Universidade Católica do Chile e fez seu doutoramento na USP. Foi professora na PUC-Rio durante os anos 1970 e participou da formação do Centro da Mulher Brasileira e do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, que presidiu por quatro anos. É fundadora e diretora da ONG Cepia (Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação), localizada no Rio de Janeiro, onde desenvolve principalmente pesquisa e material sobre violência contra a mulher, saúde e direitos sexuais e reprodutivos.

João Sánchez (Estúdio Baren)

Formado em gravura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Viveu em Madrid de 2007 a 2011, onde trabalhou como coordenador do curso de prevenção de riscos e toxicidade do ateliê de gravura do Círculo de Bellas Artes e também ministrou cursos de gravura. Ainda em Madri, focou suas atuação no meio da impressão e edição de obras gráficas, trabalhando principalmente em dois importantes ateliês de edição: o ateliê de litografia Antonio Gayo, e o ateliê especializado em impressões de grandes formatos e fotogravura Benveniste.

 

José Roberto de Castro Neves

É bacharel em direito pela UERJ; mestre em direito (LLM) pela Universidade de Cambridge; Doutor em Direito Civil pela UERJ e professor de Direito Civil da PUC-Rio e da FGV. É autor de diversos livros, entre eles Medida por medida. O direito em Shakespeare (Edições de Janeiro, 2016).

José Roberto O’Shea

É bacharel pela University of Texas, mestre em literatura pela American University e PhD em Literatura Inglesa e Literatura Norte-Americana pela University of North Carolina. Realizou estágios de pós-doutoramento no Shakespeare Institute University of Birmingham e na University of Exeter. Foi bolsista da Folger Shakespeare Library e é professor da UFSC desde 1990. Tem cerca de 50 traduções publicadas, entre elas a de Dublinenses, de James Joyce.

Luciano Rosa

é doutor em letras pela UFRJ, autor de artigos, ensaios, prefácios sobre literatura brasileira, no país e no exterior. Organizou e prefaciou, entre outros, o volume Anos 40, da coleção Roteiro da Poesia Brasileira, e os Melhores contos de Aurélio Buarque de Holanda, ambos da editora Global.

Atualmente na casa

Katiúscia Ribeiro

Filósofa, professora, poetisa e doutoranda de Filosofia Africana, estudiosa do feminismo com foco no conceito de “mulherismo africana”, uma perspectiva política e epistêmica de mulheres negras. Graduada em Filosofia pela UFRJ e Mestre em Filosofia e Ensino pelo CEFET / RJ. atualmente é Doutoranda em Filosofia no Programa de Pós-Graduação de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordenadora Geral do Laboratório de Africologia e Estudos Ameríndios Geru Maã/ UFRJ na área de Filosofia Africana/ Indígena.

 

Leila Linhares

Advogada, membro e Ex-Coordenadora do Comitê de Especialistas do MESECVI – Mecanismo de Monitoramento da Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. Fundadora e Coordenadora Executiva da organização não governamental CEPIA – Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação dedicada às questões da cidadania e dos Direitos Humanos, com ênfase na problemática da mulher. Professora Emérita da Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ). Membro do Instituto dos Advogados Brasileiros e do  Fórum de Violência Doméstica e Familiar da Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro.  Membro da Comissão de Segurança da Mulher do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher – CEDIM/RJ .

 

Leonardo Villa-Forte

É autor dos livros O explicador, Agenda e O princípio de ver histórias em todo lugar. É criador do blog e da série de colagens MixLit e o projeto de intervenção urbana Paginário. Tem viajado o país ministrando oficinas a convite de instituições como o SESC. Graduado em Psicologia pela UFRJ, com passagem pela Facultad de Filología da Universidad de Salamanca, é mestre em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio, onde cursa doutorado. Colaborou com a revista Serrote, o Blog do IMS e a revista Pessoa, entre outros.

Leticia Wahmann

Formada em Administração pela PUC-Rio, vem atuando, desde 2003, em diversas áreas do mercado de moda. Em 2005 abriu a Fulanas, multimarcas de novos criadores que funcionou até 2010 entre Leblon e Ipanema, no Rio. Em 2007 concluiu os estudos em Consultoria de Imagem e Estilo do SENAC-RJ. Nos últimos anos se especializou em atendimentos individualizados nos quais ensina que o vestir é também um processo de autoconhecimento que pode se tornar mais assertivo e prazeroso.

 

Luisa Duarte

Luisa Duarte é crítica de arte e curadora independente. Mestre em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica- PUC-SP. Foi crítica de arte do jornal O Globo de 2009 a 2017. Curadora do programa Rumos Artes Visuais, Instituto Itaú Cultural (2005/ 2006). Coordenadora geral do ciclo de conferências A Bienal de São Paulo e o Meio Artístico Brasileiro – Memória e Projeção, plataforma de debates da 28ª Bienal Internacional de São Paulo, 2008. Organizadora, em dupla com Adriano Pedrosa, do livro ABC – Arte Brasileira Contemporânea, Cosac & Naify, 2014. Foi curadora, em dupla com Evandro Salles, da exposição Tunga – o rigor da distração, no Museu de Arte do Rio de Janeiro, MAR, 2018. Organizadora do livro Arte Censura Liberdade – Reflexões à luz do presente, Editora Cobogó, 2018. Curadora da exposição Adriana Varejão – por uma retórica canibal, Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador e Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife, 2019. Curadora, ao lado de Solange Farkas, Miguel Lopez e Gabriel Bogossian da 21 Bienal Sesc Vídeo Brasil – Comunidades Imaginadas, sendo responsável também pela curadoria dos Programas Públicos desta edição, Sesc 24 de Maio, São Paulo, 2019. 

Luis Fernando Veríssimo

Nascido em Porto Alegre em 1936, Veríssimo é escritor, humorista, tradutor, roteirista de televisão, autor de teatro e romancista.  Já foi publicitário e revisor de jornal, e ainda é músico. Com mais de 60 títulos publicados, é um dos mais populares escritores brasileiros contemporâneos, e foi traduzido em mais de vinte países.

Liv Sovik

É professora titular da Escola de Comunicação da UFRJ. É autora de Tropicália Rex (Mauad, 2018) e Aqui ninguém é branco (Aeroplano, 2009), e organizadora da coletânea de textos de Stuart Hall, Da diáspora (UFMG, 2003). Se interessa hoje por “outras” epistemologias, aquelas que não são logo- ou eurocêntricas, especialmente pela música como modelo de conhecimento e de comunicação.

Marcela Oliveira

Professora do Departamento de Filosofia da PUC-Rio, onde se formou Doutora e Mestre, atuando na Graduação e na Pós-graduação com especializações em Arte e Filosofia e Filosofia Contemporânea. É integrante do Grupo de Trabalho em Estética na ANPOF. Ministra cursos livres e desenvolve estudos em Estética e Filosofia da Arte, Teoria do Teatro, Literatura.

Marco Lucchesi

É poeta, crítico, tradutor e ensaísta, é professor titular de literatura comparada da UFRJ e o atual presidente da Academia Brasileira de Letras. Recebeu pelo conjunto de sua obra poética o Prêmio Alceu Amoroso Lima. Entre outras distinções, ganhou o prêmio Paulo Rónai de tradução e foi por três vezes finalista do Jabuti, em diferentes categorias. Seus livros mais recentes são Clio e Carteiro imaterial.

Maria Camargo

É roteirista de cinema e televisão. Adaptou Correio Feminino, de Clarice Lispector, e Dois Irmãos, de Milton Hatoum, para a TV Globo. É roteirista de Assédio, para o mesmo canal. Colaborou em novelas e foi corroteirista do filme Nise, o Coração da Loucura. Publicou pela Companhia das Letras o livro O medo e o mar. É roteirista de Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, documentário de Bárbara Paz, vencedor do prêmio da crítica independente, no 76º Festival Internacional de Cinema de Veneza. Atualmente trabalha na adaptação do livro Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves, para a TV.

Mariana Langoni

é formada em Administração pela PUC-Rio e pós-graduada em Design Estratégico/Branding (ESPM). Atuou 14 anos na área de Marketing e Comunicação entre VillageMall, Shopping Leblon e CO Comunicação. Atualmente é sócia da Duo Emme – Assessoria de Marketing.

Marina C P Valle

é formada em Produção de Eventos. Fez Pós-graduação em Marketing na ESPM e MBA em Marketing Digital na FGV. Atuou por 12 anos na área de Marketing e Eventos entre Shopping Leblon e Animasom. Atualmente é sócia da Duo Emme – Assessoria de Marketing.

Marize Vieira de Oliveira

Formada em História, atua como professora junto às redes municipal de Duque de Caxias e estadual do Rio de Janeiro. Mestre em Educação pela UFRRJ e doutoranda em Educação pela UFF. É presidente da Associação Indígena Aldeia Maracanã-AIAM e conselheira do CEDIND (Conselho Estadual dos Direitos Indígenas). Desenvolve pesquisas  sobre a luta feminista indígena. apresentando outra dimensão da ancestralidade desses povos, na perspectiva da luta e (re)existência dos primeiros povos originários ou tradicionais: das nações indígenas.

Marlene Soares dos Santos

é professora emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui especialização em Linguística Aplicada (Universidade de Edimburgo), mestrado em Língua Inglesa (Universidade da Califórnia Los Angeles), doutorado em Literatura Inglesa (Universidade de Birmingham) e pós-doutorado (Universidade de Yale). É membro fundador do CESh (Centro de Estudos Shakespearianos), autora de inúmeros artigos e estudos introdutórios sobre a obra de Shakespeare, além de co-organizadora de Shakespeare, sua época, sua obra (2008).

Mary Garcia Castro

Socióloga pela UFBA, onde também fez o mestrado em Sociologia da Cultura. Tem mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela UFRJ e  doutorado em Sociologia pela Universidade de Flórida. Foi professora e pesquisadora da UFBA, além de pesquisadora associada da Universidade Estadual de Campinas e da Universidade Católica de Salvador. Estudiosa do feminismo, é membro da UBM (União Brasileira de Mulheres) e pertence à corrente feminista emancipacionista.

 

Miguel Conde

É consultor do ciclo Os clássicos fora de lugar: viagens e outros périplos na história da literatura e coordenador do curso Nascimento e crise da democracia moderna: ideias para tempos de extremos. É jornalista, editor e crítico literário. Foi editor assistente do caderno “Prosa & Verso”, do jornal O Globo e curador de duas edições da Flip. Tem artigos e reportagens publicados em veículos como Folha de S. Paulo e Valor Econômico, o site Literary Hub e as revistas Arcadia e Letterature d’America. Coordena a coleção Marginália, da editora Rocco, dedicada a autores e obras às margens do cânone literário, e é organizador da coletânea Quarteto Mágico: Contos de Murilo Rubião, José J. Veiga, Campos de Carvalho e Victor Giudice, da editora Autêntica. É doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio e editor de resenhas da revista Words Without Borders.

Mirian Goldenberg

É professora de antropologia da UFRJ e referência em estudos de comportamento, casamento, sexualidade e envelhecimento. É autora dos bestsellers “A outra” (1990) e “A bela velhice” (2013), entre outros. Sua apresentação no TEDx em São Paulo, no fim de 2017, já alcançou mais de um milhão de visualizações: nela, Mirian fala sobre a pesquisa que aponta que a liberdade alcançada nos momentos mais avançados da vida traz, como “efeito colateral”, a felicidade – ideia que ela desenvolve no recém-publicado “Liberdade, felicidade e foda-se” (Planeta).

Pedro Duarte

Professor-Doutor de Filosofia na PUC-Rio. Foi Professor Visitante nas universidades Brown (EUA) e Södertörns (Suécia). É autor dos livros Estio do tempo: Romantismo e estética moderna (Zahar), A palavra modernista: vanguarda e manifesto (Casa da Palavra) e Tropicália (Cobogó). É tradutor do livro Liberdade para ser livre, de Hannah Arendt, e atualmente traduz da mesma autora Pensar sem corrimão (Bazar do Tempo). Co-autor, roteirista e curador da série de TV “Alegorias do Brasil”, junto com o diretor Murilo Salles (Canal Curta!).

Pedro Süssekind

É Mestre em filosofia pela PUC-Rio (2000) e Doutor em Filosofia pela UFRJ (2005). É Professor Associado do Departamento de Filosofia da UFF e pesquisador do CNPQ na área de Estética e Filosofia da Arte. Publicou os livros Shakespeare, o gênio original (Zahar, 2008), Litoral (contos, 7letras, 2006), Triz (romance, Editora 34, 2011) e Teoria do fim da arte (7letras, 2017), além de ensaios e artigos.

Atualmente na casa

Raïssa de Goes

Doutora em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Realiza uma pesquisa de pós-doutoramento nos campos da arte e da literatura, na qual elabora o conceito de torção, a partir da obra de Lygia Clark, também na PUC-Rio. É escritora e artista visual. Publicou livros como Malhada Vermelha, Autorretrato e Volta, os três pela 7Letras. Recentemente, fez parte das exposições Palavra Esqueleto, ambas no  Rio de Janeiro.

Renato Lessa

Professor de filosofia política da PUC-Rio, foi presidente da Biblioteca
Nacional entre 2013 e 2016 e professor do IUPERJ e da UFF. Autor de, entre outros: A
invenção republicana (Vértice, 1987), Veneno pirrônico: ensaios sobre o ceticismo
(Francisco Alves, 1997). Lança este ano O cético e o rabino: breve filosofia sobre a
preguiça, a crença e o tempo.

Rodrigo Lacerda

É escritor, tradutor e editor. É autor de O mistério do leão rampante (ganhador dos prêmios Jabuti e Certas Palavras de Melhor Romance); O fazedor de velhos (prêmio da Biblioteca Nacional, prêmio Jabuti, prêmio da FNLIJ); Hamlet ou Amleto? Shakespeare para jovens curiosos e adultos preguiçosos (juvenil, 2015, prêmio Jabuti). Em 2018 publicou o livro de contos Reserva Natural.

Sérgio Martins

É crítico de arte e professor do departamento de História da PUC-Rio e autor de Constructing an Avant-Garde: Art in Brazil, 1949-1979 (MIT Press, 2013), bem como de diversos artigos em revistas como October Novos Estudos, ensaios em catálogos de exposições como Cildo Meireles (Reina Sofia, 2013), Hélio Oiticica: to Organize Delirium (Whitney Museum e Art Institute of Chicago, 2016), Lygia Pape: a Multitude of Forms (The Metropolitan Museum, 2017) e Alexander Calder: Performing Sculpture (Tate Modern, 2015).

Silviano Santiago

Crítico e escritor nascido em 1936, recebeu por sua obra alguns dos principais prêmios literários brasileiros, como o Jabuti, o Machado de Assis e o Oceanos. É considerado um dos maiores intérpretes de clássicos da literatura brasileira, e autor de ensaios influentes como “O entre-lugar do discurso latino-americano”. Em obras como Viagem ao México e Em liberdade, explora o trânsito entre diferentes gêneros, aproximando ensaio, historiografia e ficção. Em 2017, publicou A genealogia da ferocidade, sobre o Grande Sertão de Guimarães Rosa.

Tatiana Roque

Professora da pós-graduação em filosofia da UFRJ, é matemática e filósofa, com doutorado na área de Filosofia e Histórias das Ciências pela UFRJ e passagem pela Universidade Paris 7, é membro dos Archives Poincaré da Université de Nancy. Autora de História da matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas(Zahar, 2012), um dos vencedores do Prêmio Jabuti de 2013.

Úrsula Freitas

Advogada colaborativa e mediadora de conflitos, atua desde 2009 ajudando famílias e empresas a construírem acordos que sejam longevos e adequados às suas realidades. É professora supervisora do CBMA (Centro Brasileiro de Mediação e Arbirtragem), do Mediação Brasil e da Nós Escola. É também mediadora da Câmara de Mediação da OAB/RJ, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e da FGV Projetos, além de ser idealizadora do Projeto CUCA (Como Unir Com Ação).

Vanessa Moço

é formada em Administração pela UNESP, Marketing (USC Espanha) e MBA em Negócios pela FGV. Ao longo de 10 anos passou por empresas como Santander, Inbrands, Banco Pan e Original. É fundadora da ALMAR, empresa de consultoria com clientes como Shopping Leblon.

Zuenir Ventura

É um dos grandes nomes do jornalismo brasileiro. Membro da Academia Brasileira de Letras, é autor de livros como “Cidade partida”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995, e “1968. O ano que não terminou”, entre outros. É colunista do jornal O Globo e passou por grandes redações no Rio de Janeiro.

Artistas

Fernanda Montello

Nasceu no Rio de Janeiro e é formada em Comunicação Visual pela PUC-Rio. Atua como designer e vem se dedicando ao trabalho de ilustração em paralelo, explorando formas abstratas e linhas com canetas hidrográficas e marcadores de tinta sobre diferentes superfícies. Para o ciclo Os clássicos fora de lugar, criou 16 ilustrações inspiradas nos livros abordados no curso.

João Villela

Nasceu no Rio de Janeiro e é artista plástico, produtor e diretor de cinema. Parte de seu trabalho pode ser vista em seu perfil de instagram, @jcv49. A relação com a literatura é um dispositivo importante na sua produção, e para o Ciclo Lear criou desenhos em técnicas mistas que estarão expostos na Casa Contexto.

Parcerias